07/03/2019

Programa Compra Londrina dobra em recursos: R$ 400 milhões para negociar com empresas

Compartilhe

Marcelo Frazão

 

A entrada de cinco novos órgãos no Programa Compra Londrina fez dobrar o volume de recursos públicos disponíveis para empresas locais que desejam disputar licitações abertas no setor governamental da cidade.

Nesta quinta-feira (7), Universidade Estadual de Londrina (UEL), Sercomtel, CMTU, Cohab e Câmara de Vereadores assinaram um Termo de Adesão e passaram a fazer parte do Programa. Atualmente, a Prefeitura de Londrina comprava, por ano, quase R$ 200 milhões em bens e serviços. Agora, com os novos órgãos, as empresas da cidade podem disputar mais de R$ 400 milhões em compras por licitações a serem abertas.

No ano passado, dos R$ 200 milhões em produtos e serviços negociados pela Prefeitura, quase 40% do total - cerca de R$ 80 milhões - foram vencidos por empresas com DNA pé-vermelho, instaladas na cidade. Na CMTU, por exemplo, 60% dos contratos já são fechados com empresas locais.

Antes do programa, o índice de compras da Prefeitura com empresas locais era de apenas 16% - equivalente a R$ 30 milhões.

Com base na experiência da Prefeitura, a ideia é que os órgãos também passem a estimular as empresas do mercado local a entrar nas compras governamentais.

O Compra Londrina surgiu por incentivo do Sebrae, da Associação Comercial e Industrial de Londrina (ACIL) e do Observatório de Gestão Pública (OGPL), com base no case premiado do município de Três Rios, no interior do Rio de Janeiro.

Em 2017, o Programa foi abraçado pela Prefeitura de Londrina, que iniciou uma série de mudanças para aumentar a inserção das empresas da cidade nas compras públicas municipais – sem excluir empresas de outros municípios.

“Usamos todo o poder de fogo de compra da Prefeitura para desenvolver empresas da cidade que se interessam em negociar com o poder público. A chegada de mais cinco órgãos ao programa duplica as oportunidades de vendas para as empresas locais, sobretudo em um momento de instabilidade econômica como o atual”, explica o secretário de Gestão Pública, Fábio Cavazotti.

“Anos atrás, esse Programa era só um sonho. Hoje, se tornou não só realidade como trouxe muito impacto positivo para Londrina. As empresas precisam se sentir seguras em entrar em compras públicas e o Compra Londrina se tornou um caminho viável que traz resultados de fato”, diz Sérgio Ozório, gerente do Ambiente de Negócios do Sebrae Londrina. 

“O Observatório continua cumprindo o papel de fiscalização das contas públicas e iniciativas conjuntas como essa ajudam a nossa cidade a avançar”, posicionou o advogado Gabriel Barioni, representante do Observatório de Gestão Pública de Londrina (OGPL).

“As compras dos governos são em si uma política pública. A entrada no Programa significa possibilidade concreta de aumentar o número de empresas disputando nossas licitações e, com isso, economizando mais. Ao mesmo tempo em que ampliamos a concorrência no mercado, estimulamos as empresas da cidade e geramos um efeito multiplicador de emprego e renda para Londrina”, atestou o reitor da UEL, Sérgio de Carvalho, durante a assinatura do termo de adesão, na universidade.

“Vemos uma chance enorme de valorizar o que é nosso. Se vale a pena para Londrina, a Câmara de Vereadores está dentro”, afirmou o presidente da Câmara de Vereadores de Londrina, Ailton Nantes, ao assinar o termo. “Debatemos muito a questão do desemprego e o Programa é uma oportunidade de enfrentar esse problema, valorizando o trabalho e os trabalhadores das empresas da cidade”. Ele apontou a reforma da Câmara como uma das grandes compras que o Legislativo local deve fazer  em breve – uma oportunidade concreta para empresas locais de construção civil.

“Hoje é um dia de excelentes notícias para Londrina: a nossa cidade foi escolhida como uma das mais transparentes do país e agora novos órgãos entram neste Programa para fazermos uma cidade mais próspera e rica, com crescimento coletivo”, atesta Márcia Manfrin, vice-presidente da ACIL.

“Sair de 16% para 40% das compras da Prefeitura feitas empresas locais é algo fantástico. Os órgãos parceiros que entram no Programa também passarão a estimular as empresas de Londrina, fazendo com que o dinheiro circule mais tempo na cidade toda vez que uma empresa local vencer uma licitação”, avaliou o prefeito de Londrina, Marcelo Belinati. “São dois ativos da cidade que servem muito para atrair mais empresas: o Compra Londrina e a liderança no ranking de transparência da Controladoria Geral da União (CGU)”, completou o prefeito.

Quem entra no programa, tem direito de usar o site oficial do Programa Compra Londrina (www.compralondrina.com.br), que serve para cadastrar empresas interessadas em negócios com os governos.

Além disso, o Programa também ajuda os integrantes a organizar encontros e reuniões com fornecedores, promove cursos e consultorias para as empresas interessadas em negócios com os governos e também dispõe de um facebook próprio (www.facebook.com/compralondrina), com transmissões ao vivo e informações sobre as oportunidades.

Quem compra, quanto compra:

Os novos parceiros do Compra Londrina:

UEL e Hospital Universitário: R$ 66.358.321,34 em compras previstas

Cabeamento de fibra ótica, locação de vans, impressões de boletins, coffee break para eventos, persianas, passagens aéreas, produtos de higiene e limpeza, mobiliário de escritório, equipamentos de proteção individual, extintores, pilhas, lâmpadas, baterias, produtos veterinários, óleo combustível, papel, materiais odontológicos, hortifruti, câmeras de monitoramento, materiais de construção, pães, leite, café, açúcar, peixes, soro, anestesias, materiais hospitalares, materiais elétricos e hidráulicos, produtos químicos, sacos de lixo, tecidos, entre outros.

Sercomtel: R$ 54.691.982,00 em compras previstas

Serviços de auditoria, seguros, serviços de cópia, manutenção de extintores, equipamentos de elétricos e de informática, combustíveis, serviços de limpeza, plano odontológico, serviços de manutenção de veículos, pneus, serviços de atendimento, lâmpadas, rastreadores, serviços de vigilância, entre outros.

CMTU: R$ 70.388.731,57 em compras previstas

Material hidráulico, tintas, crachás, solventes, pneus, recarga de extintores, lubrificantes, lâmpadas, adesivos, computadores, serviços de borracharia, oxigênio, chaves, gêneros alimentícios, adesivos, carimbos, uniformes, equipamentos para escada rolante, impressões, plotagens, serviços de roçagem, serviços de limpeza e lavagem de ruas, serviços de manutenção de frota, entre outros.

Câmara de Vereadores de Londrina: R$ 2.900.000,00 em compras

Chaveiro, serviços de atendimento de urgência, compra de medalhas e títulos, materiais de copa e cozinha, equipamentos de informática, veículos, suprimentos de áudio, foto e vídeo, livros, eletroeletrônicos, extintores, pilhas, pneus, baterias, produtos de limpeza e higiene, eletroeletrônicos, entre outros.

COHAB: R$ 730.986,00 em compras

Serviços de auditoria, instalação de vidros, materiais de construção, materiais de copa, serviços de capina e roçagem, material de informática, recarga de extintores, seguros de vida, serviços de cópia, entre outros. 

5 boas práticas do Programa Compra Londrina

* Dividir as compras em lotes menores para favorecer pequenos negócios locais

* Divulgar um calendário de oportunidades prévio com a relação das compras para empresas que querem disputar licitações e pregões

* Acompanhar o desempenho das empresas locais nas licitações e estimulá-las a disputar contratos públicos

* Usar o site do Programa (www.compralondrina.com.br) e o facebook www.facebook.com/compralondrina, para divulgar as licitações para empresas interessadas.

* Promover cursos, miniworkshops e trocas de experiências sobre compras públicas locais e o potencial de desenvolvimento delas para Londrina